osso de cachorro ao lado de uma seringa

Vacina de cachorro: descubra por que imunizar o seu amigo

Tem dúvidas sobre por quê imunizar os cachorros? Então você está no lugar certo. Vamos explicar tudo o que você precisa saber sobre as vacinas para os pets, desde a sua importância, passando pela frequência da vacinação e também quais são as vacinas indicadas para garantir a proteção, o bem-estar e a saúde do animal. Acompanhe! 

Por que é importante realizar o controle vacinal?

A resposta é simples: imunizar os cachorros é um cuidado essencial para evitar que o cão adquira algumas doenças que já podem ser prevenidas.

Os imunizantes para cachorro não são importantes somente para a vida do seu pet, mas também para evitar a disseminação de doenças que possam comprometer a saúde de outros animais e até mesmo de seres humanos. 

Um exemplo é a raiva, uma zoonose – doença infecciosa que pode ser transmitida entre animais e pessoas – cuja única forma de prevenção é por meio da vacina. 

Por isso, é essencial compreender que o controle vacinal está relacionado com a saúde pública e a medicina preventiva. É importante que o tutor tenha esse cuidado e faça a sua parte para garantir que o seu pet esteja sempre vacinado de acordo com as orientações veterinárias.

– Confira também: Como cuidar bem do seu cachorro? Dicas para novos tutores 

Vacina de cachorro: existe contraindicação?

Para saber se há contraindicação na hora de imunizar o seu pet, busque a orientação do seu médico veterinário de confiança. Porém, lembre-se de que, apesar da aplicação da vacina em si ser algo relativamente simples, ela só deve ser aplicada por um veterinário.

Além de saber a melhor forma de aplicar a injeção no pet, o médico veterinário fará, antes de tudo, uma avaliação da saúde do animal, garantindo que aquele é o momento adequado para se imunizar. Isso torna a vacinação do cachorro muito segura e eficaz.

As principais vacinas indicadas para cachorro – confira a função e a importância de cada uma

São diversas as vacinas indicadas para cachorro. As consideradas essenciais são as vacinas:

  • Polivalente (V8 e V10);
  • Antirrábica.

Além delas, existem outras vacinas que não são obrigatórias, mas que podem ser altamente recomendadas em alguns casos. Sendo elas as imunizações contra:

  • Gripe canina;
  • Giárdia;
  • Leishmaniose.

Cães que convivem com outros animais e costumam frequentar hotéis e creches devem ser imunizados com todas essas vacinas, já que as doenças citadas acima são facilmente transmissíveis.

A leishmaniose, por exemplo, é uma doença que acomete os cães por meio da picada de alguns tipos de pernilongo. Por isso, deve ser administrada nos cachorros que vivem onde há maior risco de contaminação

Abaixo vamos explicar um pouco mais sobre as vacinas.

Vacina polivalente  (V8 e V10)

Os termos “V8” e “V10” indicam o número de doenças às quais a vacina protege. Ou seja, ajudam a manter o pet imunizado contra 8 ou 10 doenças diferentes.

A vacina polivalente é administrada em três doses e a imunização só fica completa após a última aplicação. Por isso, antes de o pet receber as três doses, siga as orientações do veterinário para garantir a eficácia do tratamento. É comum, por exemplo, que o veterinário reforce que o pet não deve ter contato com outros pets sem antes receber as três doses. 

Quais são as principais doenças prevenidas pela V10? Confira: 

  • Cinomose; 
  • Hepatite infecciosa canina;
  • Parvovirose canina;
  • Coronavirose;
  • Adenovirose;
  • Parainfluenza canina;
  • Leptospirose.

Para garantir a imunização adequada, a primeira dose da vacina polivalente deve ser aplicada entre 6 e 8 semanas de vida do pet. Após um intervalo de 2 a 4 semanas, é hora de administrar a segunda dose. Por fim, a terceira dose deve ser feita quando o pet completar 16 semanas de vida.

Vacina antirrábica

vírus da raiva em 3D

A antirrábica é uma vacina obrigatória que imuniza o cão contra a raiva canina, uma zoonose altamente perigosa. Ela deve ser tomada a partir de 12 semanas de vida, de acordo com a orientação do veterinário. Após, deve ser reforçada anualmente, seguindo o calendário de vacinação do pet. 

Vacina contra a giardíase

A vacina contra a giardíase, embora não previna 100% o pet contra a doença, ajuda a reduzir a sua gravidade e incidência. Sua administração é recomendada a partir das 8 semanas de vida, conforme orientação do veterinário, e deve ser reforçada anualmente, seguindo o cronograma de vacinação.

Vale lembrar que a giardíase é uma doença causada por um protozoário que causa alterações no sistema digestivo. Assim, dentre seus principais sintomas, estão: náuseas, dores abdominais, gases, vômitos e até mesmo fezes com sangue.

Vacina contra a leishmaniose

A leishmaniose é uma doença transmitida por meio da picada do mosquito-palha e afeta o sistema imunológico do pet, podendo atingir órgãos importantes, causando danos graves à saúde do animal

A vacina contra a doença é recomendada para cães a partir de quatro meses de vida, seguindo a orientação do veterinário. No total, são três doses iniciais com intervalos de três a quatro semanas entre cada uma. Após, deve ser anualmente reforçada com dose única.

Vacina contra a gripe canina

A vacinação contra a gripe canina – doença também conhecida como “tosse dos canis” ou traqueobronquite infecciosa canina (TIC), – ajuda a manter o cão imunizado contra a doença que traz, como principais sintomas, espirros, febre, tosse, coriza e perda de apetite. Quando não tratada de forma adequada, pode evoluir para um quadro de pneumonia mais grave. 

Para administrar essa vacina de forma adequada, siga a orientação do veterinário. Lembre-se de reforçá-la anualmente para garantir a proteção adequada do seu pet. 

De quanto em quanto tempo os cães precisam tomar as vacinas?

cachorro recebendo uma dose de vacina

Além de saber por que imunizar os cachorros, também é importante entender como cada uma das vacinas deve ser administrada. No geral, o calendário de imunização segue as seguintes frequências e datas:

  • Entre 6 e 8 semanas: primeira dose da vacina polivalente V8 ou V10;
  • A partir de 12 semanas: vacina antirrábica;
  • A partir de 16 semanas: administração das demais vacinas (gripe canina, giardíase e leishmaniose).

O intervalo entre a administração de uma dose anual e outra corresponde ao período em que a vacina é eficaz para proteger a saúde do pet. Por isso, respeite as datas estabelecidas pelo veterinário e mantenha o controle do calendário de vacinação. Do contrário, o cão poderá ficar desprotegido contra essas doenças. 

Como lembrar quando é o momento da próxima vacina? O app da Petkie pode te ajudar

Sabemos que a rotina é corrida e que nem sempre é fácil lembrar de todos os compromissos com antecedência. Por isso, para garantir que a imunização do pet esteja sempre em dia e conforme o calendário de vacinação, você pode utilizar uma ferramenta que te ajude a lembrar desse compromisso tão importante. Estamos falando do aplicativo da Petkie.

Completo, intuitivo e feito para facilitar a vida de todos os envolvidos no cuidado do pet, o app permite que você tenha um controle adequado do calendário de vacinação do cão, não deixando passar a data da próxima imunização.

Além disso, a ferramenta permite que o tutor possa gerenciar melhor a rotina do pet (e a sua), tenha sempre em mãos as informações mais relevantes sobre o animal, possa trocar mensagens com todos os envolvidos no cuidado do cão, como veterinários e demais profissionais prestadores de serviço, entre outros. Inclusive, conheça todas as facilidades da Petkie para a sua vida

Que tal aproveitar essa facilidade na sua rotina e garantir que o seu cachorro esteja sempre com a vacinação em dia? Baixe agora mesmo o aplicativo da Petkie! Ele está disponível para download no Google Play e na App Store.

Fonte(s):

Cobasi, PetAnjo, Petz (1), Petz (2) e Veterinarius.